20 de mai de 2015

Frontmatter no Coppetex

Baixando os arquivos de compilação da biblioteca da Coppe para geração de teses e dissertações, o CoppeTeX, é provável que, ao compilar sem nenhuma modificação, aconteça um erro. Este erro pode ser contornado comentando a linha "\frontmatter" dentro de thesis.tex, mas acontece uma pequena mudança entre o padrão da Coppe (o padrão diz que a parte pré-textual seja numerada com números romanos, mas a numeração acontece com letras, a, b, c ...)

A correção do erro é editar o arquivo coppe.cls e substituir as linhas \eqparbox{signture@list}{\protect\centering% por \eqmakebox[signture@list]{% (linhas 290, 295 e 301 na versão que tenho em mãos).

Fonte: Sourceforge/coppetex

12 de mai de 2015

Botos na UFRJ

Está acontecendo uma exposição no Fundão similar à Cowparade, exposição de vacas pelas ruas do Rio, e à United Buddy Bears, que expôs ursos em Copacabana, onde os componentes são botos, símbolos da cidade, que vão sumindo aos poucos. A organização é do Parque Tecnológico e a Escola de Belas Artes, ambos da UFRJ, que espalharam 45 botos ao longo da Cidade Universitária, desde o Alojamento até a Vila Residencial.

Mapa dos Botos
O evento é uma boa oportunidade para conhecer o campus pois, devido a sua extensão, até mesmo os alunos algumas vezes não conhecem outras partes da Cidade Universitária além do local onde fica seu prédio. Mas a tarefa de percorrer esse longo caminho não é fácil, o ideal é estar de bicicleta ou carro. Para não se perder, a organização do evento disponibilizou um mapa com os botos. Outras informações podem ser vistas na página do evento.

As fotos a seguir foram tiradas em vários dias e seguem mais ou menos a ordem cronológica em que foram tiradas. Os nomes dos botos e a descrição foram tiradas da página do evento.


Rio, suas formas

Cores quentes para lembrar o Carnaval

Botom Jobim: calçadão de Ipanema


Memórias do Boto na Ilha de Paquetá
Rio de Flores
Botonauta
Eu sou o samba
Um passeio pelo Valongo com Leandro Joaquim

Intervenção artística sobre o Rio de Janeiro (detalhe para a mancha vermelha)
Pevsner (nome de um historiador da arte)
8 ilhas: mostra em forma de mapa de níveis a composição geológica original do Fundão, oito ilhas unidas para formar a Cidade Universitária
As filhas do boto. Feito pela artista mais famosa da exposição, a Rosa Magalhães

Botocudo

Nossas origens




Boto Maré
SAARA
Boto Ostentação (no começo, ele tocava funk quando apertava um botão)
Rio Gambiarra (acende algumas partes de noite)
Você Está Aqui. Mostra o mapa da cidade do Rio
Circuito da Gávea: O Trampolim do Diabo
Aquaboto (ainda com óculos escuros)
Malandro Carioca
Pôr do Sol na Baía
Mudanças Vespertinas
Boto Botânico. Representa as cores predominantes no Jardim Botânico do Rio
Vincent. Meu favorito. Incorpora elementos do Rio (arcos da Lapa e Cristo Redentor) ao estilo da Noite Estrelada de Van Gogh
Bate-Boto
Sereno

1964 - 1985 (o nome é o período da ditadura militar)
Boto Suburbano. O mais popular, impossível tirar foto sem alguém por perto pela sua localização, em frente ao Hospital do Fundão
Pirayawara Tupi
Arquitetura Punk
Eu não sou um golfinho
Com essa exposição, aprendi que boto e golfinho é a mesma coisa. No começo da exposição, quando os botos ainda estavam envoltos em plástico pretos, começaram os rumores que eram golfinhos, até que, pouco a pouco, fomos sendo corrigidos que se tratavam de botos. Tanto faz, menos para este boto aí de cima, esse faz questão. Detalhe triste dele, no meio das eleições para reitor da UFRJ, ele apareceu com adesivo de um dos candidatos, refletindo uma falta de educação ou de um morador "politizado" do Alojamento  ou de um cabo eleitoral exaltado representando um dos candidatos ao maior cargo da universidade. O que entristece é que essa área é fundamentalmente frequentada por estudantes, ou seja, ter estudo não soma educação, no fim das contas.

O boto Praianas também foi muto vandalizado: trata-se de um boto com várias avaianas de cores e tamanhos diversos presos, para refletir o gosto do carioca pelo chinelo de dedo. Infelizmente, muitas avaianas foram arrancadas (clique na foto abaixo para ver em tamanho completo). Ao contrário do boto do Alojamento, esse é o boto mais sujeito à população que frequenta o Fundão só por passagem, pois é próximo à estação de BRT, um ponto de baldeação para vários lugares, além do próprio Fundão. O Aquaboto e o Eu sou o samba também sofreram vandalismo, mas leve, motivada pelo estranho prazer do carioca em roubar óculos de estátuas e monumentos.
Praianas (o mais vandalizado)
Suba e veja o "Eu sou o Samba". Quem não tem colírio usa óculos escuro

Rio, eu sou você
Floresta da Tijuca
Mosaico Carioca
Made in Rio
Boto Mulato
Março
Muito Prazer! Sou Carioca
Memórias de Madureira
Botos do Rio. O Botoception que foi despejado do Parque para a rua do Detran
Este boto inicialmente, se localizava, segundo o mapa, no píer do Parque Tecnológico. Fui até lá fotografar os botos, mas não consegui achá-lo, pensei que tivesse me enganado ou que teria que ir mais para dentro do Parque (que é imenso). De fato, desconfio que realmente teria que ir mais para dentro, pois voltei lá em outro dia e achei o tal píer (são dois, um pequeno, o qual achei e fotografei o boto Made in Rio, e outro, bem maior, que era onde devia estar o Botos do Rio). Nunca saberei se ele estava lá mesmo ou não, o que vale é que, por algum motivo, o "despejaram" do Parque e ele foi parar na rua onde era realizada a prova de baliza do Detran.
Em seu "habitat" original (Foto da Página da Organização)

Celebração
Os dois botos abaixo ficarão faltando. A exposição está chegando ao fim e provavelmente não terei uma oportunidade de ir especificamente à GE ou de passear por dentro da Prefeitura, mas as fotos do site mostram eles já nos seus lugares de exposição. Não sei o que será feito após o fim da exposição, mas vão deixar saudades. Gostei muito da iniciativa e dos trabalhos produzidos, um incentivo único para integrar uma cidade universitária, muitas vezes, isolada, como se fossem, ainda 8 ilhas separadas. Minha torcida é que eles fiquem por aí até quando aguentarem, servindo, até, como ponto de referência para localização de prédios para visitantes, taxistas e calouros.
 Até mais e obrigado pelos peixes.

Tardes do Rio (Foto: Organização do Evento)
Nós (Foto: Organização do Evento)
Extra:
Após a exposição, agora estão guardados

Quem sou eu

Raphael Fernandes
Carioca, Brasileiro, Estudante de Robótica
Hiperativo, Imperativo
Gosto de tecnologia, de transporte, de Rock, de reclamar e de propagandas criativas (e outras coisas que posso ter falado em um post ou não)
Musicalmente falando, sou assim.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Veja também...