28 de dez de 2009

Os anos 2000

A verdade é que estou meio sem criatividade e esse post tende à extinção... Porém, vou postá-lo, mais para ter um registro dos meus anos 2000... Ninguém precisa ler (conta a novidade)

Os anos 2000 com certezam foram a década de minha vida de maior evolução... Tá, os anos 90 eu passei de um filhote de Homo sapiens loirinho a uma criança levemente depressiva... Mas, nos 2000 saí de uma criança que não tinha aprendido equações de segundo grau a um projeto de adulto que sasbe resolver algumas equações diferenciais parciais... Minha cabeça evoluiu. Meu corpo evoluiu.

Bom, não estou com a menor vontade de fazer um levantamento do lixo produzido nos anos 2000. Mas, vendo essas coisas de saudosismo dos anos 80 (que eu, inclusive, compartilho, meio que influenciado pela música - a boa - e pelo GTA Vice City) e pensei. Será que um dia vão celebrar a década 2000? Reparei que não há muitos comentários citando o fim da década. Quando me veio à cabeça que estamos terminando uma década, não tinha ouvido nada. E, até agora, só ouvi uma coisa na televisão lembrando isso. Já pensou um texto do tipo "Nos anos 2000, tivemos o advento de grupos saudosos como É o Tcham, Mr. Catra, Calcinha Preta, NX Zemo Zero". É, seria tenso... Mas, vá lá. Eu acho que tenha algo que salve. Coldplay é uma ótima banda que surgiu nos 2000's. U2 fez ótimos trabalhos nos anos 2000, acho que merece um Best of 2000's. Snow Patrol tomou fama nos anos 2000. AcDc fez um ótimo álbum, o Black Ice, para salvar sua participação nessa década. Metallica também contribuiu com outro CD histórico, o Death Magnetic. Sem contar a contribuição do Dream Theater... E, claro, o deus da guitarra, Chimbinha!

É, talvez tenha lembranças saudosas do Big Brother Brasil. Com certeza, não do Galvão Bueno. Do Fausto, admito que tenho lembranças dos anos 90 que me dão saudades... As Olimpíadas do Faustão eram, de fato, boas.

Ahhh, os anos 2000... Da faculdade! Os melhores anos... Até agora. será que os 2010's serão mais intensos ainda?

Como disse, estou sem criatividade... Então aqui morre o post... Que venham os 2010's! E que sobrevivamos além de 2012...

Feliz 1999!

*ao som de Metallica(muitas músicas pra escrever, daria muito trabalho)

26 de dez de 2009

Programação das férias

Chegamos às férias... Não que eu esteja já entediado ou mesmo totalmente relaxado... Ainda não: faltam dois trabalhos a fazer e espero de lembrar que tenho prazos para eles. Além de ter que resolver burocracias no nosso querido campus do Fundão... E é possível que eu vá para lá aprender, trabalhar, ser explorado, sei lá... Tudo pelo bem da ciência... Tomara que dessa vez, eu goste. Bom, mas não foi para falar do trabalho que vim aqui. Quero meio que tentar listar aqui o que farei nessas férias. Para, quando tiver entediado, ver que tenho coisas a fazer.

Uma coisa que tenho feito e que pretendo fazer é jogar. Já estava no vício de Age of Empires III - Asian Dynasties e baixei o Worms Armageddon, ressucitando meu vício em Worms e, particularmente, roper. Claro que, pra manter a forma, eu dou uma fugidinha no Worms2, onde o roper é mais intenso. Também baixei um emulador de Super Nintendo no site Planet Emulation - www.planetemu.net . Tenho jogado Mario, mas também baixei outras ROMs, Mega Man e Super Mario All Stars. Mas claro, não posso me alienar totalmente e ficar só jogando (isso já aconteceu e não fiquei bem, tenho tentado dosar melhor).

Mas não vou ficar só jogando, quero que as férias rendam algo de útil. Vou tentar aprender Python e VHDL. Já baixei um roteiro do lab de Eletrônica II, é bom dar uma olhada também. Já estou baixando filmes, já baixei três e tenho uma listinha de outros para baixar (só não sei se a Virtua vai permitir). Baixados City of Angels, Dead Poets Society e A Walk to Remember. A baixar: My Blueberry Nights, The Last Kiss e District 9. Se bem que o Distrito 9 é mais fácil ir direto na Locadora... E lá, também pegar o Homem Aranha. O Sete Vidas não sei se agüentaria ver de novo. E, claro, umas idas ao cinema não estão descartadas. Basta ter companhia.

Também quero escrever um pouco, alguns depoimentos fofinhos no orkut e blogadas em geral. E vou me esforçar para tirar o teclado do armário. Tenho uma lista de músicas que queria tirar, mas é preciso de muita persistência e paciência, essa última, eu realmente não tenho tido muito. Mas é preciso mudar, e um esforço a essa altura não faria mal. Músicas que eu quero tirar: Iris (Goo Goo Dolls), The Way it is (Bruce Hornsby), Kiss on my list (Hall & Oates), We've got tonight (Kenny Rogers e Sheena Easton), Lost Without Your Love, You are so beautiful, Head Over Heels (Tias Fofinhas), What a fool believes, Summertime, Whither, The answer Lies Within e Best of Times (DT), A Thousand Miles, Clocks (Coldplay), Make this go on forever (Snow Patrol), Lovin' Touchin' Squeezin', Great Gig in the Sky (Pink Floyd). Bom, a lista tende a aumentar (já me veio a idéia do The Doors), agora falta força de vontade. Seria muito legal mesmo que eu conseguisse, apesar de ser meio desanimador a ausência de partituras na internet, tem tantas cifras, tablaturas, mas nada de partituras, a menos por coisas que pedem cartão de crédito e partituras zuadas. Vou ver o que eu posso fazer com o Guitar Pro aqui. Minha idéia era fazer algum arranjo que fizesse essas músicas fazerem sentido só no intrumental (daria até pra tocar em barzinho ou shopping, hein - nah, não sou um artista, sou só um curioso).

Mas não só de nerdice se compõe as férias desse jovem nerd. Pretendo voltar à academia assim que o ano entrar (quero começar a voltar a me alongar logo, porém a preguiça é grande). O exercício sem dúvida fez muito bem a mim. Esse mês e pouco sem ir, já estou com dores nas costas, sono ruim e pensamentos depressivos... Quero dar umas voltas de bicicleta também, já tenho uns lugares em mente: seguir a rua do Via Parque até o fina (deve ter uma vista bonita, a vista contrária da que eu tive quando fui na Avenida Canal do Anil até o final e avistei uma panorâmica da Barra), a praia, claro, também quero subir de novo o Sertão, apesar de isso ser bem tenso, mas é muito bonito lá em cima. Também queria dar umas voltas lá no Alto Freguesia, o problema é que lá já tem um trânsito bem intenso e não tem ciclovia. Quero fazer trilhas também, mas aí depende do Chicão. E o Judô... é algo que tenho vontade de voltar... Resta saber se sobraria tempo durante as aulas. BTW tenho que ver como vai ser o Judo lá no Fundão. Isso facilitaria minha vida. Ou não... Talvez fosse melhor fazer de vez na academia, mas teria o problema dos horários... Acho que não haverá mais período folgado na minha vida... A princípio estava em dúvida entre a Natação (a necessidade) e o Judo (a antiga paixão). Não foi difícil me convencer que queria mesmo era o Judo. Mas é muito necessário que eu faça a natação e logo. Claro que poderia começar a natação agora, nas férias, mas era querer demais... Natação e musculação? Viraria um esportista! Pode ser uma opção... mas sei não... Nem sei se as escolas de natação funcionam nas férias. E natação tem no Fundão...

Então é isso... Não lembro de mais nada a não ser as coisas que tenho que fazer para ter uma nota no fim do período e outras coisas do tipo ajudar minha mãe a carregar bolsas. Ah sim, tenho que ir no Centro logo comprar DVDs e alguns CDs para fazer meu fackup e formatar a bagaça aqui. A princípio vou deixar o WinXP. Valeeeeu galera.

*ao som de Spy vs Spy (Clarity of Mind), Dream Theater (A Nightmare to Remember) e Pink Floyd (Time, Great Gig in the Sky, Money, Us and Them, Brain Damage e Eclipse)

25 de dez de 2009

Qualidade de Filmes

Bom, hoje é Natal, dia de tédio total. Ninguém entra no msn, nada acontece no twitter, nada acontece no orkut, nada acontece em lugar nenhum! Mas, mesmo assim, consigo ainda furar meu dedo levantando o colchão da minha cama... E, lembrando, um ano atrás, saía de bicicleta para espairecer e me estabaquei no chão quando me empolguei com a falta de carros na rua e não vi a terrinha que faz o pneu deslizar. Enfim...

Então, na falta do que fazer, já fiz coisas loucas como puxar assunto com pessoas que não falo muito no msn e decidi baixar filmes. Então, pra não cair na mesma cilada do filme do Batman, onde eu baixei um filme totalmente fudido porque não vi o nome do arquivo, onde aparece a qualidade (no caso, tava cam no nome, e como vou mostrar em breve, cam é a pior qualidade possível), decidi buscar no Google as "extensões" dos nomes dos arquivos e, pra não perder mais, vou postar aqui de vez.

Achei nesse site aqui. Seguem as extensões:
Qualidade

Existem diferentes níveis de qualidade, geralmente representada por acrônimos:

* CAM - O filme foi gravado por uma filmadora normal, provavelmente no cinema. Qualidade de vídeo e áudio geralmente é baixíssima.
* TS (TeleSync) – Gravado por uma filmadora um pouco mais profissional, porém com áudio externo – ou seja, alguns cinemas têm entradas para fones de ouvidos na poltrona para deficientes auditivos. Assim, o áudio não pega barulho do cinema. Porém a qualidade ainda não é muito boa, mas melhor que o Cam.
* TC (TeleCine) – Máquina que copia a imagem direto do rolo de filme, qualidade boa. No entanto o equipamento é caro e filmes em TC são mais raros.
* Screener (DVD Screener) – Copiado de um DVD de amostra. Esses DVDs são geralmente enviados a críticos de cinema e premiações, como o Oscar. Muitas vezes possuem uma faixa no filme informando dos direitos autorais e telefone anti-pirataria. Alguns incluem até um número de série que o ripper precisa esconder, pois o número pode denunciar a origem do filme pirateado. Qualidade muito boa.
* DVDRip - Copiado de um DVD original. Qualidade excelente.
* TVRip - Gravado diretamente da TV através de cabos que ligam ela ao computador, permitindo a cópia sem perda de qualidade. Geralmente usado mais em séries. Qualidade muito boa.
* HDTV - Gravado diretamente da TV digital, ou TV de alta definição. Usado mais em séries. Qualidade excelente.

Formato

O formato do arquivo vai indicar qual programa que você vai precisar para visualizar o filme. Existem alguns formatos com qualidades melhores que outros, ou que gerem filmes de diferentes tamanhos.

* DivX – É o mais popular, muitos leitores de DVD atuais suportam este formato. Possui uma qualidade excelente, e gera um arquivo de aproximadamente 700Mb – 1Gb por filme. É de código proprietário, portanto os filmes cujo download é legalizado (mediante pagamento de uma taxa, na maioria das vezes) possuem este formato. É possível fazer o download do codec e player no site oficial da DivX Inc.
* XviD – Software livre de código aberto, que gera arquivos MPEG-4. O uso legal deste formato pode estar restrito em alguns países. A qualidade se equaliza ao do DivX. O codec pode ser baixado através do site oficial, gratuitamente. O mesmo vale para o software que faz a cópia e conversão de um filme, cujo download também é grátis. A grande maioria dos filmes está neste formato.
* VCD - Baseado em MPEG-1, gera um arquivo de tamanho e qualidade menor. Usado bastante para copiar diretamente em CD-Rs, pois geralmente um filme neste formato possui até 700Mb de tamanho.
* SVCD - Baseado em MPEG-2, tem a qualidade um pouco maior que o VCD. Apenas 35 a 60 minutos de filmes em SVCD cabem em um CD-R normal.
* AVI - Usado popularmente no Windows. Qualidade é superior e geralmente não é preciso um codec para abrir este tipo de arquivo.
* MPEG - Formato também bem popular. Uma das melhores qualidades.
* RMV / RMVB – Arquivos tem um tamanho muito inferior ao XviD / DivX, o mesmo equivale na qualidade. Um filme de 700Mb em formato XviD, fica com tamanho de 350Mb em formato RMVB. No entanto, esse formato é de propriedade do RealMedia. Qualidade média.


Agora, vou caçar os vídeos. Ainda tenho que ver se tem a legenda no legendas.tv . No caso Batman, eu baixei um video com qualidade razoável, porém nenhuma legenda encaixava... As boas pedidas anotadas aqui são:
City of Angels (Cidade dos Anjos)
Sociedade dos Poetas Mortos
flash forward (seriado)
um amor pra recordar

*ao som de Stratovarius (Father Time, The Hands of Time, Paradise, Out of the Shadows, Forever e Kiss of Judas)

21 de dez de 2009

Retromusicospectiva 2009 - as músicas

Então, na absoluta falta do que fazer ao me deparar com o Dream Theater chegando às 999 execuções no meu Last.fm e na absoluta falta do que fazer na absoluta falta de vontade de fazer algo e na vontade de relembrar as músicas do ano, decidi fazer esse post aqui, que obviamente não será lido por ninguém.

Uma música que ouvi muito esse ano , inclusive comecei o ano ouvindo ela foi Learning to Live. A música fala sobre um paciente que descobre que tem AIDS e que decide viver a vida superando isso, segundo este site: Song Meanings . A música tem muitos momentos que me fazem ficar arrepiado. A introdução, perfeita. A letra, linda. Solos de teclados. Uma nota altíssima (acho que a mais alta) do LaBrie e o fenomenal solo de baixo. Os momentos de agressividade misturados aos momentos de relaxamento. Under a glass moon. A sensação de paz dos solos. É, comecei o ano tentando tocar o solo de teclado. É muito difícil, a partitura parece um eletrocardiograma. Acho que se eu sentasse com alguém me fazendo aprender, talvez conseguisse... Mas, quantas manhãs, não comecei o dia tomando café da manhã ao som desta música, quebrando o silêncio da casa, com o volume baixo, me dando boas sensações de bem estar a cada solo. Apesar de tudo, ela não recebeu o título de milésima música do Dream Theater ouvida registrada pelo Last.fm . Sim, cueguei a essa marca e a privilegiada foi Home. Outra música que ouvi muito esse ano. Um sensacional crescendo no início com efeitos de música árabe. Inclusive, usei Home para concorrer com um vagabundo tocando funk no ônibus. Mas eu tenho muita vergoinha... lalaia. E, com certeza, esses populares não sabem apreciar a grandiosidade desta canção. Home é um dos capítulos da história contada no disco Metropolis parte II, onde há uma terapia de regressão (quem quiser uma maior explicação, pode ver na Uísquepédia) e o paciente, hipnotizado, sofre uma viagem mental a uma vida anterior, onde vive Victoria. Este disco, em si, mostra a criatividade da banda e a interligação entre diferentes trabalhos, coisa para se bater palmas, mesmo.

Apesar de eu garantir que Learning to Live foi a mais ouvida esse ano, a música #1 do ano registrada pelo Last.fm foi Amsterdam, do Coldplay, seguida por Surfing with the Alien, do Satriani. De fato, foram muito ouvidas sim. Amsterdam foi tema de uma paixonite do começo do ano e é possível que tenha pegado carona na segunda paixonite. Surfing with the Alien foi uma espécie de hino para superar a depressão. O disco todo, em si. Comprei este disco este ano. A propósito, também comprei o Black Ice do AcDc e "O trovador solitário", coletânea de coisas gravadas em casa pelo Renato Russo.

























































No ranking de bandas ouvidas, Dream Theater também perde para o Coldplay, ficando em segundo lugar. Segue o ranking:

1 Tocar

2 Tocar

3 Tocar

4 Tocar

5 Tocar

6 Tocar

7 Tocar
U2


8 Tocar

9 Tocar

10 Tocar

11 Tocar

12 Tocar

13 Tocar

14 Tocar

15 Tocar


Comentários: Kiss figura em terceiro, andei ouvindo muito Kiss no começo do ano. E fiquei mais incentivado ainda na época do show. Já o Metallica vem salvando minha vida desde o ano passado. Mas tive uma época de intensa audiência de Metallica, principalmente por decepções amorosas e não tão amorosas assim. Metallica foi meu companheiro de decepções e me salvou várias vezes. O Death Magnetic não sai do meu celular, pois sempre podem haver emergências. Sim, não foi uma nem duas vezes, mas várias vezes, a solução foi pegar o fonezinho e começar a ouvir o Death Magnetic. O Metallica me ajudou a sair da depressão para o ódio e em seguida para o estado normal. Ou, simplesmente, aliviar o ódio que eu sentia apreciando as batidas. Whiplash! Iron Maiden, Legião e U2 também são bandas do tipo sempre ouço. Não é de admirar estarem ai, mesmo sem um motivo especial. Mas o U2, esses dias, tenho ouvido bastante Crumbs from your table e I'll go crazy if I don't go crazy, música que descobri assistindo à MTV. Eu até tinha o CD dessa música, No Line in Horizon, em mp3 aqui, porém nunca dei muita atenção. O anterior, Vertigo, com certeza era muito mais interessante. O Van Halen, eu ouvia muito o único CD que tinha aqui deles, o de 5150. Gostava muito, então baixei o Best of Both Worlds. Algumas músicas, eu simplesmente não dei atenção de início, mas várias me viciaram. Quantas vezes fui ou voltei de Botafogo ouvindo o Best of Both Worlds. AcDc é mais uma banda de todas as horas. Mas principalmente, quando estou animado. Não é algo que eu goste muito de ouvir quando estou deprimido ou furioso. Frejat foi influência do show que eu fui, na Lona Cultural, não sei se no começo desse ano ou no final do outro. E também, inclufência da paixonite do começo do ano. Blind Guardian é uma banda que estava guardada no baú e saiu do armário assim, do nada. Do meio do ano pra cá, ouvi bastante, muitas vezes também aliviando minhas tensões. Foi ouvindo Blind Guardian que conheci a Nerd Maluca. Mötley Crüe foi meio bizarro, acho que ano passado, se eu fiz um ranking desses, tenho a sensação de também ter aparecido MC. Enfim, sabe-se lá porque está aí, mas eu ouço, sim, de vez em quando. Pink Floyd está aí, com certeza, por causa de dois discos: Animals e Dark Side of the Moon. Ouvi muito esses dois esse ano. Lembro de, no ano passado, estar ouvindo Pigs on the Wing e receber uma notícia que me deixou felizinho e cheio de esperanças. Lembro do cheiro de tinta daquela época. Animals, com suas 5 músicas, 2 curtíssimas e idênticas, com letras levemente diferentes, e 3 longas músicas com nomes de animais viciantes e viajantes, sem exageros nos solos, na minha opinião, ao contrário de outras músicas do Pink Floyd, com solos exageradamente grandes. Dark Side já é mais padrão. Tem mais músicas com duração de média a curta, com músicas das mais famosas da banda, com temática sobre morte e loucura, ganância e coisas do mundo. Além de estar relacionado ao filme The Wizard of Oz, após o terceiro rugido do leão, o que é uma grande balela, mas que fica até bem interessante de se ver, como vi no You Tube, apesar de não ter nada a ver, ficou muito foda. Me dá arrepios. Tenho medinhoOo (é sério). Até porque, o disco é bem viajante e o filme é nada mais (Spoiler!!) que um sonho. Dos loucos! (falando nisso, tenho que ir ver Alice no país das maravilhas).

Para finalizar, temos o Snow Patrol. Essas paixonites... Sempre me agradou muito a Open Your Eyes. Decidi, então, baixar tudo que estava disponível de Snow Patrol. Os discos anteriores ao Eyes Open são meio crus, o posterior é chato. Mas o Eyes Open está na medida, com várias músicas que me agradaram e me viciaram. E, influenciado por frescurinhas do coração, ouvi bastante o disco. Mas não só isso, foi um bom companheiro de viagens a Botafogo também e mesmo, para passar o tempo ouvindo algo.

Esse ano descobri o Men at Work. Fim de trilha, Barra de Guaratiba, esperávamos o ônibus. Eis que passa um carro com som altíssimo, finalmente algo que presta. Era Men at Work, eu conhecia aquilo, mas não sabia o nome. Eis que o Diego fala: "curto muito esse som". Então, eu pergunto o que era, ele me revelou o mistério. Torci pra que lembrasse o nome quando chegasse em casa, mas Men at Work é um nome que não se esquece. E, então, descobri o Men at Work.

Recentemente, baixei um disco do Goo Goo Dolls. Me deu uma vontade repentina de ouvir Iris e daí, decidi baixar o CD pra ver o que tinha mais de bom. É até bom o Dizzy up the girl, tem algumas coisas meio emo, principalmente as músicas cantadas por um vocalista com voz típica emo. Mas tem coisas legais. Além de Iris, posso citar Dizzy, Slide, Black Balloon e Hate this place, essas duas últimas, ouvi bastante. Quem sabe se surgir alguma nova paixonite, não virem temas de uma potencial decepção? Também descobri essa semana outra banda que eu conhecia as músicas de tempos remotos e consegui descobrí-las de vez. Graças ao orkut do Rene, com sua lista de músicas que ele acha fodas, fui ouvir no You Tube a You Get what You Give e já tinha ouvido ela! E muito boa por sinal. Ouvi outra, a Someday we'll know e foi o mesmo caso. Baixei então o disco, ainda não ouvi tudo, mas aparentemente essas famosas que são boas mesmo. E muito. O New Radicals, banda responsável pelas músicas, que só teve um membro fixo e um único CD, ficou famosa por ser banda de um único hit. Mas, acho que deveriam ser 2, afinal, são 2 famosas. Esse hit está num filme que me foi recomendado e vou ver: um amor pra recordar.

O Bon Jovi (Bom Jovem) eu decidi baixar depois de ouvir In the middle of a Heartbeat do Helloween e ter certeza de já ter ouvido uma música do BJ muito parecida. Não achei a suposta música. Mas descobri que Bon Jovi até que não é tão mau... Aliás, tive bons achados no Best Of e venho ouvido ultimamente.

E pra finalizar, uma banda que quase ia mes esquecendo, por não estar nos rankings, mas teve muita importância: o Oasis. Ouvi mais no celular, então a Last.fm não tinha contabilizar, mas ouvi bastante. Ainda não ouvi tudo, ouvi mesmo o ao vivo, me lembra idas a Botafogo vindo do Fundão e o dia da Nerd Maluca também. Nesse dia, eu estava estreando o Oasis no meu celular. E descobrindo que eu até gostava da banda, apesar de toda minha antipatia pela marra do guitarrista. Até que curti algo além de Wonderwall.

É, acho que agora, terminei. Se me vier alguma coisa, coloco uns PS... Então que venha 2010 que ainda há muito o que ouvir. Para se amar, odiar, chorar e vibrar. Feliz Natal!

*ao som de Aerosmith (Amazing), King Cobra (Iron Eagle - Never say die), Cutting Crew (Died in your arms), Judas Priest (Screaming for Vengeance), Dream Theater (Learning to Live, Another Day), Pink Floyd (Pigs on the wing pt1, Dogs, GReat gig in the sky), Men at Work (It's a mistake), New Radicals (You get what you give e Someday We'll know)

PS: Esqueci de citar o Queen, uma época aí andei viciado...
*ao som de Stratovarius (Black Diamond)

18 de dez de 2009

Retrospectiva (Not that anyone cares)

É, vai se dispersando mais um período. Mais que isso, um período par: Vai se despedindo um ano. Um ano intenso, sobre o qual não vou lembrar tudo. Mas um ano digno de retrospectiva. E, aproveitando minha vontade de fazê-la, a abundância de assuntos e minha resistência em abrir o MSN, além do meu estado de quase-férias que, apesar de não haver mais o que estudar, ainda exige que eu entregue dois trabalhos de duas disciplinas eletivas, aproveitando a conjunção de tudo isso, estou eu aqui escrevendo a dita cuja agora, dia 18, a essa altura, sem muita esperança (depois que eu cortei o cabelo, sem nenhuma esperança) de que aconteça algo digno de nota daqui pra frente até 2010.

O ano começou com um certo desânimo. Fiz o curso de verão da Física da PUC, mas não estava muito animado para acompanhar os cursos, principalmente porque estava sozinho na maioria deles. Acho que eu estava merecendo férias, e muito cansado pelo ano anterior, provavelmente. Mas não podia ter perdido a oportunidade e depois, concluí que valeu a pena, nem que somente por experiência, ter ido. Na época, pareceu meio tedioso ir uma semana inteira, enfrentando a vontade de ficar na cama, enfrentar o engarrafamento da auto-estrada Lagoa-Barra todos os dias. Mas, tenho que ressaltar que a PUC fica muito mais próxima que o Fundão. Mas, olhando agora, vejo que ficou algo para se contar dessa semana.

Lembro que acordei cedo e tentei combinar com o Chicão de chegarmos juntos. Eu, com toda minha inexperiência de andar na Gávea, demorei para encontrar a PUC (apesar de já ter ido uma vez, na PUC por um dia, na época do pré-vestibular, mas fui com ônibus da escolinha e, na época, era apenas um garotinho ingenuozinho), mas não quis perguntar a ninguém, mais por orgulho (há quem diga que por timidez, mas eu insisto em discordar, é mais uma questão de orgulho: como não achar uma universidade enorme numa rua). Depois de um tempo andando para os dois lados da Marquês de São Vicente (sem ir além de um cruzamento em um dos sentidos), tive a brilhante idéia de seguir o "metrô" de superfície e percebi que precisava, sim, ir além daquele cruzamento. E, então, finalmente achei a PUC (dando voltas desnecessárias). Encontrei o Chicão e a Laura lá, fazia calor, eu lembro que cheguei suado depois de tanto andar. Poxa, naquela época eu já suava! Quem diria... Depois encontrei mais gente, acho que o Rene e o Fantuzzi, e todo mundo ficou para a mesa-redonda do início da Semana, mas eu fui para casa, pois tinha uma grande missão: recepcionar e presenciar a instalação da NET e da VIRTUA aqui em casa. Sim, esse foi um dia especial. Quando chegava, avistei ao longe o carro da NET e uma escada. Eles já haviam chegado e minha mãe os recebeu. E, depois de algum tempo, em meio a tartarugas fazendo sexo na frente das visitas, vizinhos de olho na novidade e uma grande empolgação, os técnicos concluíram o ato, com direito a comentário sobre Windows e Linux:
Raphael: "Você pode instalar no Linux também?"
Técnico: "Só precisa no Windows, no Linux vai tudo automático!"
E então estava iniciada a era 100,0 Mbps. Sem mais estresse com antenas na TV da sala... E um telefone quase inútil que, sem ele, o preço aumentava quase 100%. Então que viesse. E não é que acabei usando algumas vezes depois... Afinal, de Net pra Net, é grátis... Mas, algumas vezes, ligaram para o telefone da antiga-Telemar (é, sou velho... Agora é Oi, mas ainda falo Telemar... E uso trema) reclamando que eu não usava o telefone. Tá, não estavam reclamando, estava apenas me "lembrando" das vantagens do telefone da Embraté. Neste dia, ainda voltei para a PUC (coisa impensável para o Fundão... Mas esse ano, também cheguei duas vezes num mesmo dia no Fundão... Talvez eu expanda isso quando chegarmos à Setembro, ou coisa do tipo), acho que fui num cursinho de Sistemas Dinâmicos... Mas o desânimo me vencia... Lembro que abandonei esse curso, acho o que deu a cartada final para não ir foi o fato de ter que almoçar na terça ou na quarta... Não consegui (pela paranóia ou por falta de companhia ou por medo de ser esfaqueado) almoçar na PUC nem nos arredores. Decidi ir para casa e comer com a mamãe e a vovó. Nos tempos vagos da semana, andava pela Gávea, conheci um pouco (diria até que em dois ou três dias andando, conheci quase toda a Gávea) do bairro, descobri que subindo a Marquês de São Vicente, dá para a Rocinha e descendo, chegamos ao famoso Baixo-Gávea. E, andando, pude entender o porquê de ser baixo e alto. Tive algumas aventuras no meu caminho. Um dia, o 750 estava de sacanagem e não passava nem fudendo. Fui ser malandro e pegar dois ônibus para chegar lá, fui de 267 para fugir do Rio das Pedras... Mas de manhã, até indo pela Engenheiro, é parador... E peguei o 755 Expresso na Passarela da Barra... Esta foi uma típica burrice, comentanda no post Um dia de burrices... e conclusões? . Um outro dia, voltei de 755... Acho que estava sem pressa e decidi caminhar no Bosque da Freguesia. E encontrei algumas humanas mulheres do sexo feminino de aparência bastante ... boa! Na quinta, teve ( festa de nerd ) coffee-break, ou alguma coisa assim, para a apresentação de trabalhos, fiquei um tempo com o Fantuzzi lá e depois, me encontrei com o Bragay, que combinou comigo de fazer alguma coisa após a PUC. Encontrei com ele e disse que havia comida liberada no auditório, mas ele achou que era algo só da turminha da UFRJ e achou que ia ser reconhecido. Porém, quando me fiz entender que era da Semana - e não da turminha - a boca livre, ele ficou muito puto comigo e disse que iria lá com certeza se tivesse entendido. A essa altura, estávamos na metade da rua do canal que vai até a praia do Leblon, íamos para lá. Também surgiu o assunto cadeirinha da Pedra da Gávea - quando descobri que a Pedra da Gávea tem uma cadeirinha pra se sentar. Ficamos um tempo à toa na praia, com o sol já posto, mas eu queria ir cedo pra casa, sentia fome e não encontramos uma única barraquinha de churros na praia. Decidi ir embora, Bragay ficou puto porque fiz ele sair de casa e eu ir pra casa cedo, ele foi então buscar um amigay dele no Lebrão e eu caminhei de volta em direção à Gávea, para pegar o 750, já que os S-20 e 557 iam lotados. E, na sexta, fechamos o curso com a falta de luz, frustrando minha chance de completar ao menos um curso, o de Eletrônica Orgânica, que presenciei todas as palestras e visitas técnicas (e que foram bem interessantes por sinal, aliás, as visitas técnicas são o que eu lembro e ganhei de experiência, da parte em sala, não lembro de ter absorvido nada), mas que não pude ter a última palestra pois faltou luz. Recebi o diploma de participação e escapei de uma cilada - naquela época, as ciladas ainda não tinham sido batizadas assim. E então, fechamos aqui a aventura que iniciou as atividades do ano. Logo após, cortei o cabelão.

O começo do ano letivo propriamente dito começou com uma certeza crítica de que eu iria me mudar para a Física. Hoje, a sensação que eu tenho é que eu me sentia como um calouro da Física. A Laura havia se mudado para lá e puxamos Mecânica Clássica juntos... Recebemos umas dicas para o futuro na Física do Nelson, que sumiu depois. Puxei também Métodos da Física Teórica, uma matéria de dois períodos, que, por sinal, fechei há uma semana. Pegando meu material de Métodos I para emprestar ao Ricardo que me veio a idéia de expandir esse parágrafo. Nem lembrava mais da época que eu tinha quase certeza de que queria ser Físico. As aulas da Tatiana me animavam, mas as do Joaquim me desanimavam... Parecia um mundo de contas sem muita aplicação. Eu via aplicação sim, mas parecia ser muito esforço para pouca recompensa. Tranquei então a Mecânica, pensando ainda em assistir às aulas (óbvio que não assisti, já é difícil estudar tendo a avaliação no final, imagina sem ter a responsabilidade), mas prossegui em Métodos, vendo fórmulas de Cauchy e equações diferenciais. Este curso, por outro lado, foi bem proveitoso, apesar de, algumas vezes, depois que desisti da Física, me vir à cabeça que seria perda de tempo, mas eu tinha na minha mente que aquilo ainda me servirá. Comprei o livro de Métodos pela internet, minha primeira compra pela internet. Minha segunda compra foi o microsystem, que também merece uma expansão em breve. Sem ele, e toda a sua aventura por trás, não estaria aqui, agora, ouvindo Blind Guardian em alto e perfeito som, direto do computador. Neste período, também fiz Cinética Avançada (e tive uma certa desesperança na pós em fís-qui), Fenômenos Piadísticos (não muito séria para ser considerada uma decepção com a fís-quí), Inorgexp (matéria a qual fui alérgico... pois lidávamos com Mercúrio pelo qual eu não posso passar nem perto) e Física e Fisexp IV, matérias que não consegui estudar e quando estudava, não me dava bem. A parte que dava pra se dar bem foi a que me recusei a estudar: óptica. A parte de relatividade, eu vi que estava ferrado, decidi estudar... E ai sim, errei na prova. Em óptica, eu simplesmente não sabia fazer... Na Física IV, conheci John, conheci um cara bizarro filho de militar da Produção, nada de interessante (muito menos a parte gospel). Na Fisexp, fiz na Eletrônica, já abrindo minha segunda opção de certa maneira e conheci algumas pessoas que acabei cruzando em 2009-2. Física IV foi um susto quando vi minha nota no SIGA, 5 e alguma coisa. É... foi por pouco! Passei assim ó crrrrrrrrrrrrrrrr (já dizia Carlos Renato). O seminário de Inorguespe foi até mais tranqüilo que eu esperava... Logo eu, grande rival de apresentações em público. Eu achava que tinha feito um post sobre isso, mas não fiz... Enfim, dou uma breve resumida aqui: estava passando mal no dia da apresentação, com febre, mas tomei uma Coca-Cola que talvez tenha me salvado. Apresentei relativamente bem, até gravei, para fins de estatística. Em Fenômenos Piadísticos, tivemos Célia FDP partes 1, 2 e final 3. Substitua a prova mamata pela prova subjetiva para ajuste de conduta. E depois, abra bem as pernas. Este é o segredo para se dar aula dessa matéria com emoção. Essa matéria talvez tenha sido a última matéria da grade que fiz com membros da minha turminha na Química. Estavam lá Carlos, Jéssica, Érica e outras pessoas de 2006. Até passou pela minha cabeça assistir com o Arnaldo de manhã, mas logo vi que era perda de tempo, apesar de ser a turma do Leon!! E também, do Ricardo, Rene e Fantuzzi. Difícil mesmo é não poder dormir na aula da Graciela numa turma de 3 alunos...

Comprei um celular novo... Ia comprar um Sony-Ericksson, acabei levando a novidade da loja no momento, um da LG (que contava com a minha confiança graças à satisfação promovida pelo meu monitor LCD da LG), o qual apunhalei aqui no blog, mas diria que não é tão mau assim... Mas to vendo que a câmera é quase inútil no escuro... Atualmente, estou atrás de um laptop, e me apxionei pelo wii depois de jogar, recentemente, na Saraiva do NYCC... Mas um console ainda está meio fora da minha realidade... Talvez se eu conseguir um extra dando aulinhas... Estarei sem bolsa, a priori, período que vem. Queria dar a monitoria de Fisexp III, fiz a provinha, porém não passei, tal qual a prova de Cálculo I, dois anos atrás... Porém, naquela época, eu tinha passado na prova de Química Geral, e esse ano eu não fiz essa prova... Perdi a mamata. Essa bolsa me ajudou muito, pude pagar a academia e a banda larga e fazer umas comprinhas, desenvolvendo minha habilidade social, de roupas baratas no cartão. No começo do ano, mudei de academia. Abandonei os professores super-qualificados da Vida Fit e parti para uma academia mais barata, que, se cagam pra você, ao menos você não é estuprado no preço. E até que a Saúde & Performance não é ruim... Ainda precisa melhorar muito na parte física, mas os professores são mais sociáveis... Alguns até tomam a atitude de te ajudar, isso é bom... Agora dei uma parada, mas fica aí como promessa de ano novo voltar nas férias... Pelo menos até o começo das aulas... Mas a Vida Fit tem suas vantagens... Sem ela, não teria conhecido o Gurgel... Que, depois, me apresentou o Coimbra e o Diogo, que se mudou na única vez que eu o vi. Já o Coimbra, vejo sempre e ficamos de papo fudido, eu, Coimbra e Gurgel, às vezes... Foram alguns dos bons momentos deste ano, o tipo de coisa que salvou algumas semanas tensas... Aprendi a valorizar esses momentos. Há quem teime em dizer que a vida só vale a pena com festas, porque teoricamente, é nas festas que se há diversão... Mas, uma singela saída para tomar um refrigerante com os amigos e falar algumas inutilidades, isso pode sim fazer a vida valer a pena... No dia em que o Gurgel me chamou pra ir no Quality, eu fui (mesmo tendo certeza que eu não iria, fui mais pra sair de casa e conversar que pra ir na festa, o problema era... que desculpa inventar na hora de ir pra festa) e conheci o Coimbra e o Diogo... Coimbra cortava o cabelo e Diogo jogava Age III. Neste dia, comecei também minha saga no Age of Empires... Também houve um dia em que fui para o Quality propositalmente de chinelo para ser barrado. O Coimbra ficou de frescurinha, não quis entrar sem mim... No fim das contas, ficamos de blablabla na rua até quase meia noite. Barrado por barrado, também fui barrado por um babaca no Fórum da Taquara essa semana mesmo... Coisas jurídicas precisam ser burocráticas... até na roupa...

Bom, prosseguindo o texto enorme que ninguém vai ler (se você é uma garota e chegou até aqui e se você existe, quer casar comigo?), vou falar um pouco das aulinhas do segundo período deste ano. Começamos atacados pela Gripe Suína, no começo eu achei que seria uma marolinha, e achei exagero esse desespero... Mas, no fim das contas, tivemos nossas aulas adiadas, o que estava na cara que ia fuder com a gente. Não deu outra, os professores correram feito alucinados, algumas matérias ficaram faltando. Em 2009-2, peguei matérias da Eletrônica, que seria minha opção. descobri que gosto de montar coisas, não sou um teórico, mas um experimental, quem diria... A grade da Eletrônica é enorme e é um curso muito voltado para a ciência em si... Gostei disso, me ajudou a superar alguns pré-conceitos da engenharia... É possível ser um engenheiro-cientista, afinal. Este foi um período muito intenso, de falta absoluta de tempo, de poucas horas dormidas que levaram a um extremo sono nas viagens de ônibus, cheguei até a dormir mesmo uma vez e acordar bem em cima do meu ponto. Eu disse relativamente alto: "Meu ponto!" Além de toda a problemática da gripe, ainda fiz a opção própria de puxar muitas matérias... Queria fazer 3 de fora... Isso implica em fazer 6 de dentro... Tudo bem, uma era só assistir... Fármacos também, basicamente, mas agora no fim, vai me dar um relativo trabalho... Industrial deu um relativo trabalho, mas consegui pegar o jeito em tempo ainda... Tirei vontade de estudar essa porcaria chata não sei de onde... TCQT, tive o apoio do Chicão e ainda ressucitei meu LaTeX aprendido nas férias do ano passado (por conta! Quem diria!) para fazer um dos relatórios... Chicão pediu para eu ensinar, faremos o último relatório também em LaTeX. Fármacos e TCQT ficaram pendentes... E me mantém em estado de alerta, apesar de não mai ter que estudar... Só vou me considerar relaxado de vez quando me livrar dessas duas... Mesmo que seja só entregar, com prazo amigo... Pendências sempre são pendências... O desafio mesmo foi Equilíbrio de Fases... Não conseguia fazer aquilo entrar na minha cabeça... Estudava, fazia os exercícios e caía na prova um negócio que eu não sabia fazer... No começo não tinha vontade nenhuma de estudar... Depois, a força do desespero foi aumentando e nota da P1 foram influenciando no meu ritmo de estudos. As notas foram ascendentes e consegui, enfim, passar. Felizmente, na final só caiu a matéria da P2, que foi a parte que eu tinha tomado jeito. Mas, por mais que algumas matérias tenham sido só presenciais, o tempo ocupado por elas por si só já atrapalha... Muitas vezes, assistir às aulas atrapalha... Percebi isso em um feriadão, onde meus estudos renderam muito. Circuitos Lógicos foi um desafio... Eu gostei, achei interessante... Algumas vezes foi estressante, mas depois foi recompensador... Foi bom simular no computador e ver as coisas funcionando na prática... Mesmo que com muita luta, mas é justamente essa luta que dava a graça... Quando funcionava, que alegria! E sempre era necessário fazer um croqui... Já com o Darcyzão, a matéria era izi, mas ele não resolvia os exercícios na aula... E o laboratório era legal, mas ele era, digamos... meio pouco amável... Métodos II foi legal também, gosto de matemática. Graças a métodos conheci a Camilla. Na verdade, conheci ela pelo Vanderley, que por sua vez conheci graças ao Mendes ou o Bragay... Não lembro mais...

Para Circuitos Lógicos, tive que comprar minah protoboardzinha... E comecei a conhecer o lado eletrônico do centro, na rua República do Líbano... O dia em que comprei a protoboard que foi o dia em que fui no centro e voltei ao Fundão. Uma quarta-feira... dia de Fármacos... Comprei e andei desnecessariamente no centro em busca do ônibus pra Ilha. Na Brasil, me arrependi de ter voltado e não pegar o 268 para minha casinha ao ver um camburão da policia com um policial em pé saindo pelo teto solar com uma metralhadora em punhos, entrando num beco no Parque União... Falei... "Fudeu" mas sobrevivi...

Também me aventurei em uma aula particular no Humaitá... Que não deu muito certo... (se desse certo, acho que seria chamado novamente). A própósito, me aventurei bastante nesses lados esse ano. Esse ano, fui resolver problemas em Botafogo durante várias semanas. E, nessas indas e vindas, já encontrei a Monique perto do Rio Sul, o Mendes no campus da Praia Vermelha, o Daniel, uma, para ir para a Glória presenciarmos um evento sobre informática (que, apesar da minha falta de vontade, no dia, de ir e da companhia, até que valeu a pena ter ido) e otura pra me encher o saco de Botafogo até o Barra Shopping (onde, malandramente, escapei).

Então se passa mais um ano. Do Natal passado, lembro do cheiro de tinta e de uma certa paixão. Entrei o ano com essa paixão. O ano do meu único porre, de Amarulla. De viagens à Ilha, me fazendo lembrar de GTA-VC. De brigas. Mudaram as paixões. De ligar no dia seguinte. De ir para o cinema...E depois, não conseguir mais... Dos aniversários infinitos... De nerdmaluquices e ciladas da ambiental. Sem esquecer de citar o Churrasquim, onde algo surgiu fora do alvo. E que me deu certa esperança agora no fim de novo. Mas eu inventei de cortar o cabelo. E desde então, as coisas estão desandando. Mas eu levo fé, uma semana depois, no sétimo dia do meu cabelo, as coisas vão fliuir. As coisas, de certa maneira, terminam com um pouco do que começaram. Algumas paranóias voltam. Agora, o sono me mata... Depois de duas noites mal-dormidas me coçando, mais o peso dos dias estudando até um pouco mais tarde. E, aparentemente, o Luciano (leitor compulsivo) vai ler isso aqui, então melhor não escrever mais, senão me entrego. Só para terminar, vou ex-citar o Leon aqui! O sumido de sempre que sumiu de vez. Mas que todos temos esperança que ele surja de novo, mas aparentemente ele é tão do mal que não sente saudades dos humanos da UFRJ...

Rapidinhas:
Consertei meu som mudando a chave de 220 pra 110... O som ficou uma semana na assistência e eles não fizeram nada e colocaram selo. Conectei meu som ao PC com um cabo p2/p2 e ficou muito bom agora! Que morram as caixinhas esdrúxulas.

A maior nota de CL foi 6,5. Reza a lenda que foi o gabarito, misturado com as provas. E só ganhou 6,5 porque tinha uma letra muito parecida com a do próprio Mr. Croqui.

Esse período, finalmente pude chamar o Darcy... ÔÔÔÔÔ DARCYYYYYY! (fale bem alto)

Numa ida à praia, eu, Lygia e Adriano presenciamos o Ian "drogado" (sob a ação de um entorpecente altamente perigoso chamado Smirnoff Sprite) falar pro Adriano abrir a garrafa com o cu!

Bom, não to com muito mais criatividade para rapidinhas... Ontem fechei o ano com a Ciladinha Festinha da Química. Fica ai o pedido de um tópico sobre o pior e o melhor dos anos 2000. Afinal, estamos mudando de década! Só me toquei disso há pouco tempo! Então Feliz Natal a todos os que não me lêem, estaremos ai pro que der e vier (principalmente pra quem vier e der). Feliz 2010 a todos, na medida do possível. Que seja um ano de muito trabalho. Preciso voltar à academia antes de morrer de depressão com essas musiquinahs de Natal. A prática de exercícios bote ser uma boa aliada à depressão. Raphinha approves. Então, fica pra próxima a lista de coisas que eu não vou fazer nas férias e the best of 2000's. Até a próxima! Cya!

Alguns PS:
Como pude me esquecer de citar o Carnaval, talvez o mais ativo de toda a minha vida (até hoje, com certeza o mais ativo). Só a Lorraine pra me fazer sair de casa de manhã para ir para a muvuca do Bola Preta. Fomos nós e a Laura, com direito a ver a Graciela. Festa não é exatamente uma coisa que eu me sinta muito bem, eu não gosto muito de dançar, cantar em público, essas coisas, mas, mais uma vez, foi bom ter saído. Se tivesse em casa, ia ficar me lamentando pelo que não estava fazendo. Pode ter parecido, pelo meu jeito introvertido, que eu não me diverti, mas foi bem legal, até a parte de ir na loja de roupas com mulher: típica cilada. De noite, ainda fui na Banda da Freguesia com o Gurgel e conheci o Maluko Motoqueiro, um típico imbecil que acha que usar anabolizantes traz felicidade... Nesse dia eu sumi, fazendo uma coisa que tinha mania de fazer nessa época, mas que, creio eu, superei. Fazia parte da minha paranóia que, graças a Botafogo, talvez esteja menos pior. Desde esse dia, ficava com dois pés atrás pelo que vinha de pessoas apresentadas pelo Gurgel, mas depois ele foi acertando, conheci o Coimbra e o Diogo, conheci o Cristiano, grande twitteiro. Esse ano também fiz um twitter e um facebook, do nada, só pra testar, e a mania twitter se lançou de maneira supreendente. Até o Riocard faz propaganda de seu twitter na maquininha do cartão! Ainda no Carnaval, saí duas vezes com a Carol, uma fomos pra praia da Barra e depois fomos pro Recreio para o bloco do Recreio do Galo, que é uma relativa tradição de 2 anos indo minha. O Angelo estava lá nos esperando, chegamos lá e ele já estava levemente feliz. Depois, fui pra Ipanema, onde ela e uma amiga me esperavam. A orla estava interditada e andei do Leblão até quase o Arpoador, tentando achar em qual dos infinitos quiiosques vermelhos a Carol estaria (sim, esta foi a referência dela). Também esqueci de dar uma rápida ex-citada na minha frustrante tentativa de ir na Bienal do Livro... Foi o primeiro dia de aula prática de Circuitos Lógicos, não podia perder a primeira aula ou iria ficar isolado para todo o sempre, fora que ia ficar perdido. Lá, conheci o Luciano e o Pedro e montamos o nosso grupinho de aulas de laboratório. Então, logo depois da aula, saí, tentando ser malandro, ia pegar dois ônibus pelo preço de 1 (as integrações de metrô) e depois pegar um Santa Maria da vida pra ir pro Riocentro. Tudo para evitar as lotações do 268 e, de quebra, ainda ficar no engarrafamento da LA no ar condicionado. Estava com um pouico de dor de cabeça no dia, e febre também. Peguei o 708, com uma placa informativa de "Este passa lá!", na qual acreditei ingenuamente, porém ele não passava e eu só percebi quando estava em frente ao Mundial da Curicica, e pelo meu pouco conhecimento curiciquence, é mais perto da Taquara que o Riocentro. Foi aí que eu fui me informar e descobri que ele não passava lá. Desci e acabei pegando o 268. Assim que entrei, fui informado que a turminha já estava indo embora da Bienal, porém eles me esperariam. Cheguei lá, fui assaltado pelo moço do churros de 2 reais e encontrei a turminha, esperando meu ataque de stress... Que só veio quando um moço de cabelo estranho começou a me provocar... Uma pessoa com a qual não se vale a pena ter contato. Por isso, apenas o ignoro hoje em dia. Sumi, como previsto pelo tal moço, andei até a Bandeirantes e fui para casa, muito revoltado com o tratamento recebido, principalmente pelo sacrifício de estar com dor de cabeça e febre. Ao menos alguém - a Lygia - se importou e perguntou onde eu estava. Poxa, a última Bienal, eu tinha me dado tão bem... Todos que foram comigo moravam muito longe e eu cheguei em 15 minutos... O Rene e o Ricardo pegaram dois ônibus em vão...

Outra coisa importante foi a terceira temporada do Big Bang Theory. Muito esperada e eu ainda preciso assistir vários episódios dessa, mesmo alguns ainda nem baixei... Fui um período tão intenso que nem a minha grande compensação (assistir TBBT) pelos dias pesados eu me dei. Mas agora, férias, vai dar para assistir e pôr em dia. TBBT está cada vez mais virando um fenômeno. Com muito merecimento. O Flamengo foi hexa, e me fez voltar a vibrar com o futebol. Tive tentativas de trilhas, uma para Barra de Guaratiba, mas eu desisti com a chuva já na Barra, porém o Chicão, o Diego e o resto do grupo foram persistentes e foram até Pedra de Guaratiba. Mas não chegaram a ir para a Barra de Guaratiba, eles falaram que estava chuvendo muito. Apenas voltaram a Grota Funda. Depois, tentamos ir para a Pedra Bonita, num dia cuja manhã foi ensolarada, mas a tarde ficou muito fria. E nublada... Fomos até São Conrado, pela primeira vez caminhei pela praia de São Conrado. Este é um lugar que sempre foi de passagem, mas nunca estive efetivamente, que eu lembre. Foi a primeira vez... Chegamos até a pisar na estrada de acesso à trilha, mas veio um vento frio que derrubou até mesmo a persistência do Diego e do Chicão. Ficamos um tempo de papo furado na praia, eu de regata e morrendo de frio. E, pela conversa fiada, valeu a pena ter saído de casa. Não tivemos a vista, mas estive entre amigos. Fomos embora, eles foram para algum outro lugar da Zona Sul e aparentemente pegaram um ônibus que subia a Rocinha. Havia um cara bêbado, ou insano, seja lá o que for, falando bobageiras no ponto, então eles devem ter ficado tensos e foram em qualquer ônibus escrito via Leblon. Eu fui para o outro lado da passarela e peguei meu onibuszinho pra casa. Até que rendeu essa foto:

Mas não só de trilhas frustradas se fez esse ano: conseguimos, finalmente, ir para a trilha de Barra de Guaratiba. Fomos para as praias secretas, mais uma vez, dessa vez, todo mundo levou câmeras, inclusive eu, que postei algumas fotos no meu panoramio: http://www.panoramio.com/user/163277 . Foi uma trilha bem puxada, estava morto, doido para voltar, mas o Chicão, desbravador, foi, sozinho, até a última praia, só para dizer que foi em todas. Voltamos para o asfalto, com uma intensa ventania que deixou meu óculos todo embaçado (só percebi quando, à noite, coloquei ele para ir na academia deixar o cheque - obviamente não ia malhar depois de tanto esforço). Conhecemos o açaí du bão e voltamos no lendário 387, que nos evitou de pegar 3 ônibus para voltar.
























Como fechamento do ano, comprei uma camisa do AcDc e estou me recuperando de uma alergia... Não estou lembrando de mais nada digno de nota que possa ser exposto aqui.

Quem sou eu

Raphael Fernandes
Carioca, Brasileiro, Estudante de Robótica
Hiperativo, Imperativo
Gosto de tecnologia, de transporte, de Rock, de reclamar e de propagandas criativas (e outras coisas que posso ter falado em um post ou não)
Musicalmente falando, sou assim.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Veja também...