22 de jun de 2013

Chaos AD (Barra da Tijuca)


Dê play antes de começar a ler
Ontem foi um dia épico, onde a Linha Amarela foi fechada devido à manifestação na Avenida Ayrton Senna, da Barra até Jacarepaguá. No final da manhã, o cenário já era de fuga da Barra da Tijuca.

Fuga do planeta Terra
De noite, a Linha Amarela foi fechada e, chupem manifestantes, não foi meu maior tempo para chegar em casa! Levei "apenas" 3 horas (meu récorde é 4).

Linha Amarela fechada no dia 21 de Junho de 2013

O que eu tenho a lamentar são as cenas de vandalismo de bandidos da CDD, que instauram uma clima perfeito para uma ditadura. O ciclo é o seguinte, com o vandalismo, a população fica apavorada e, com a polícia fazendo merda e/ou tomando conta das manifestações, fica um clima de abandono no resto da cidade (deslocamento de tropas obviamente leva a um enfraquecimento da proteção policial em outros lugares) e onde ocorre o vandalismo, e a população começa a ser menos paciente com os protestos. Preocupada, não tem pra quem recorrer senão ao super-poderoso Exército. E, na posição de herói libertador do caos e com o poder de barganha nas alturas, o Exército tem possibilidade de assumir o poder pelos seguintes motivos: repulsão da população aos governos atuais (vide vaias à Dilma), agradecimento aos militares e o tradicional conservadorismo do pobre no Brasil.

 Não acredito que seja mais uma dessas teorias da conspiração, em que os militares organizaram tudo para poder assumir o poder, mas é possível encontrar características do Golpe de 64, como o trecho da Wikipédia "um movimento 'contra' alguma coisa (corrupção, subversão da ordem, etc.)" e, principalmente, a Marcha da Família com Deus pela Liberdade. Minha impressão é que a maioria dos manifestantes tem visões mais humanistas, por exemplo, ser contra a 'cura gay' e pedido transparência no governo, além de pedidos que, não fosse o descaso do governo brasileiro (e da população, em modo geral), seriam coisas óbvias, como saúde que cure e educação que ensine. Por outro lado, existe todo tipo de pedido nos protestos e, infelizmente, alguns incluem, talvez por falsa ilusão, talvez por ignorância, pedidos conservadores, como redução da maioridade penal e fim dos partidos políticos.

 Gostaria que os manifestantes também parassem para pensar no que estão pedindo, porque, a partir do gosto pelo poder, podem ser corrompidos pelo próprio poder. Defendo medidas mais igualitárias, como divisão do tempo de televisão para propagandas políticas de forma uniforme, transparência na aplicação dos impostos, votos no legislativo e gastos (este último tem melhorado, nos últimos anos, por exemplo, esta página).

 No campo da reforma política, redução do número de deputados, dos seus salários, do número de assessores, fim das viagens aos estados de origem, fim da imunidade parlamentar e tantos outros "auxílios-paletó" que estão por aí. Um parlamentar deve viver como um cidadão de classe média, com direitos e deveres, sem luxos e sem perrengues. O que temos hoje é um grande luxo, motoristas particulares, não se gasta com gasolina, entre outras vantagens que a grande maioria da população não tem nem nunca terá acesso. Isso é justo para um representante do povo? Será que ele conheceria nossas dificuldades vivendo longe da nossa realidade? Além disso, peço o fim do Quoeficiente Eleitoral, que torna as eleições menos transparentes e elegem candidatos que não foram escolhidos.

 No perigoso campo religioso, defesa do estado laico, com o fim do tratamento diferenciado para templos religiosos, fim de qualquer lei de proibição de casamento entre pessoas do mesmo sexo, fim da "bolsa-estupro" e proibição de cura-gay, com punição. Sou favorável ao aborto, desde que feito de acordo com o Conselho Federal de Medicina, ou seja, até 12 semanas.

 De resto, torço para que os manifestantes tenham o famigerado SENSO CRÍTICO e saibam fazer as exigências necessárias, ainda que não saibam como fazer, afinal, não é obrigação apresentar as soluções, mas se indignar com o que não está certo. Manifestações pontuais podem levar a maquiagens, como as que existem para melhorias em hospitais ou buracos nas pistas, mas uma revolta dessa magnitude tem que resultar numa mudança estrutural, que permita que as melhorias sejam feitas, porque chegamos ao limite, estamos esfregando na cara de quem quiser ver que o que está ai não está funcionando. A melhora não é a curto prazo, então, torço também para que haja paciência. Um bom começo seria mudanças no voto de 2014, tenho uma sugestão em um post antigo. Mas, sozinho, o voto não consegue mudar. É preciso mexer nas bases, fazer reformas. Que sejam feitas, então.



PS: Após o protesto, os ônibus começaram a desligar suas vistas e não pegar mais passageiro nenhum. Até dá pra compreender, já que são os motoristas querendo descansar, possivelmente passando do horário, além de evitar aborrecimento ao chegar com um carro vandalizado na garagem, e a empresa também deve ter dado ordens justamente para evitar perder carros. A questão é que esse sumiço dos ônibus que, quando param para desembarque, não abrem a porta ou o motorista avisa que "vai para a garagem", pode incentivar mais vandalismo. Quando há greve, alguns dos ônibus que rodam acabam sendo vandalizados, não sei ao certo se por motim ou por passageiros revoltados.

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Raphael Fernandes
Carioca, Brasileiro, Estudante de Robótica
Hiperativo, Imperativo
Gosto de tecnologia, de transporte, de Rock, de reclamar e de propagandas criativas (e outras coisas que posso ter falado em um post ou não)
Musicalmente falando, sou assim.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Veja também...