15 de jan de 2012

Reclamando sobre as reclamações das reclamações


É moda no facebook, atualmente, falar mal das reclamações alheias. Por algum motivo, reclamar de coisas populares se tornou um padrao, e, agora, algumas pessoas, por trollagem ou mau gosto, ou, simplesmente, por um suposto respeito ao próximo, estão vindo com essa ladainha contra o sistema.


Com o advento do orkut e ascençao do facebook, talvez possa ter havido uma segregação social, o que acho pouco provável... Não uso o orkut para saber se ainda é ativo, mas só  com a relé, mas é fato que a revolta contra o que é popular se tornou padrão no facebook - coisa que não acontecia no falecido orkut. Entretanto, essa massa de revoltados fazendo presença podia ser efeito apenas da minha rede de amigos, e devo dizer que foi bem mais selecionada que no orkut. 


Acredito que possa ter, mesmo, uma divisao entre os apelos populares nas redes sociais porque, o que é popular, ganha espaço e se torna viral mesmo que seu controle seja feito. A prova disso é que a praga de compartilhe uma vela pra Jesus atingiu o facebook (felizmente, tem diminuido, mas nao sei ao certo se eu fiz algo, acredito que nao, pois algumas peças responsaveis ainda tao cadastradas no meu caderno de historias (sim, eu dei essa volta pra nao falar feed)). Entao, em defesa dessa "minoria", alguns contra-movimentos - e o engraçado é que, mesmo pessoas que nao gostam de michel tero, bbb, etc e que ja reclamaram de bobagens populares, estao aderindo, talvez seja pressao social - estao surgindo, sob a alegaçao de preconceito, intolerancia, possibilidade de trocar de canal...


Entao façamos a dissecação desses topicos:
1 Preconceito
"Você não pode falar do que não conhece"
Poderia devolver usando o argumento de "voce nao precisa ser atropelado pra saber que é ruim" isso pra nao dizer outra coisa, porem vai alem. COMO EU NAO CONHEÇO, ESSAS PORCARIAS SAO ENFIADAS GOELA ABAIXO. Eu nunca ouvi nada do Justin Biba alem da baby baby (nao sei se só  tem essa mesmo), entao de fato estaria falando mal sem conhecer. Mas Micheo Uoh, BBB, essas coisas estao ai presentes o tempo todo, no seu vizinho que toca musica alto, nas chamadas de programas de auditorio entre outros meios invasivos. Se nao fosse essa chateaçao, provavelmente nao falaria, nem bem nem mal, continuaria ouvindo meu rock britanico ou brasiliense como sempre. Ignoraria totalmente este artista de renome internacional, talvez o primeiro - sim, Sepultura, Andre Matos, podem se matar, ha gente que acredita que Michel Telo é pioneiro, esqueçam Carmen Miranda, Roberto Carlos e até a desgraça da Wanessa - como fiz com o Justin Biba que, ao contrario do michel que tem fas populares que andam com caixa de som na rua tocando "assim voce me mata" pra seduzir as gatinhas na rua, ao contrario deles, só  tem fas adolescentes que ouvem essa droga em suas caixinhas de som fraquinhas no pc.


2 Intolerancia
Veja só  que, agora, os roqueiros e agnosticos sao os intolerantes. Nem vou discorrer um historico sociocultural aqui para provar isso, vou apenas provar que, no minimo, é intolerancia mutua. Quando eu falava com populares, eles achavam que eu era errado por gostar de rock e na epoca nem ouvia thrash metal! Era só  coisa levezinha... Ha um preconceito irracional com rock, claro que o demonio que se apossa do Black Sabbath nao é o mesmo que se apossa do Restart pra essas pessoas, mesmo sendo os dois considerados a mesma categoria rock. E voltamos a questao do preconceito: EU SEMPRE OUÇO A MUSICA COM APELO POPULAR DE FORMA FORÇADA, EU CONHEÇO E OS POPULARES SEQUER OUVIRAM MINHA MUSICA. Porque heavy metal melódico é coisa de mulherzinha, britpop é coisa de deprimido, opinião geralmente expressa com dois acordes. OK, dois acordes também me são suficientes pra dizer "que porcaria", basta vir um tchum e um tchatcha. E, sobre o agnosticismo, basta ver, cristãos já te crucificam sem nem conhecer por isso (as vezes até conhecendo, mas sabendo dessa "doença") e até onde eu sei isso é a forma mais modelada do preconceito. E, do outro, lado, as criticas geralmente direcionadas ao ganho de falsos profetas que estao longe de seguir os dez ou doze mandamentos. Principalmente os dois extras que, pelo que lembro, dizem sobre respeito ao proximo.


3 Nao gosta de BBB, muda de canal
Eu tento, a todo custo, ficar alienado até dos nomes dos personagens. Eu não vejo BBB, mas vejo programas na Globo, na Multishow e em outros canais (Band por exemplo) que possuem chamadas sobre programas que discutem (!!!) o jogo, mostra fofocas, fora a internet, mas ai seria o caso de liberdade de expressão, nao vamos mexer nisso. Veja só  o exemplo, estou eu la vendo autoesporte ai vem uma chamada do panaca que entrevista pessoas na Freguesia e no Downtown e começa a falar isso na propaganda. Eu devo mudar de canal? Eu sequer estou vendo BBB, e acredito que a Globo tenha coisas decentes de se ver, essa propaganda intensa faz parte do negocio dela, para minha desgraça. E para a alegria dos defensores da liberdade de censurar a reclamaçao.


O face foi, muitas vezes, um espaço que me senti bem por encontrar opiniões semelhantes a minha de forma massiva, entretanto, agora, a babaquice esta dominando. Uma babaquice totalmente sem argumentos, a partir do momento que me são bombardeadas as porcarias do mundo e ainda somos criticados por ser contra elas? Se esta cansado dos reclamões, dá unfollow.  Até porque, se a reclamações sobre a reclamação é ainda uma reclamação, então você está reclamando contra si mesmo: seus argumentos não são válidos! Até a próxima!


*ao som de Dream Theater (Beneath the Surface, Far from Heaven, Breaking all Illusions, Hollow Years, Burning my Soul, Hell's Kitchen e Lines in the Sand)

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Raphael Fernandes
Carioca, Brasileiro, Estudante de Robótica
Hiperativo, Imperativo
Gosto de tecnologia, de transporte, de Rock, de reclamar e de propagandas criativas (e outras coisas que posso ter falado em um post ou não)
Musicalmente falando, sou assim.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Veja também...