26 de set de 2012

Jovens e o ataque à imprensa

É muito comum, nas redes sociais, uma agressividade com relação à imprensa em geral, e à Globo e à Veja em específico. Não que as ache santas, pelo contrário, sempre tenho meu pé atrás porque seu passado não nega. E também, já senti o veneno de Veja semanalmente em minhas mãos. Comecei a perceber que aquilo era manipulação nos textos do Diogo Mainardi. Mas uma coisa que não podemos negar é a liberdade de expressão, que foi adquirida com tanto custo por nossos pais e hoje, são consideradas manipulação.

A questão é que os ataques à imprensa são direcionados de maneira que vira uma perseguição. Por um lado, é importantissimo questionar tudo que vemos, por outro, fica a pergunta, em quem mais confiar fora a imprensa? Devemos confiar em boataria de facebook? O fato é que jornais, revistas e TV têm como comprovar o que afirmam, senão estariam chovendo processos por aí (se já chovem até com comprovações).

Entretanto, como qualquer ser humano inserido na sociedade, os grupos de imprensa possuem interesses. Assim como o cara que puxa um coro contra a Globo no Profissão Repórter.


Temos, então, algumas questões a pensar:
1) Há concorrência.
Tudo bem que a Globo possui o melhor sinal e a maior audiência, mas, a crítica à programação não deveria ser direcionada à Globo. Particularmente, acho o Globo News um canal excelente e, se a demanda do povo fosse mesmo por informação, estaríamos com a Globo News no lugar da Rede Globo de Televisão. A questão não é que a Globo force seus expectadores a ver BBB, a questão é que o povo é ignorante e clama por BBB e novela . Quem quer se informar "de verdade", pode mudar de canal e incentivar outras pessoas a mudar também. E, honestamente, Datena é alguma forma de informação melhor que o Jornal Nacional? 
2) A imprensa e o governo
Dizem que a imprensa possui vários conchavos com grupos políticos. Não duvido e até acho que seria melhor se essas ligações fossem abertas e tivéssemos acabado de vez com essa hipocrisia de que a imprensa deve ser imparcial. Uma vez que aceitamos que a imprensa não é imparcial, desenvolvemos senso crítico. A Veja é pró-PSDB, ok, então você, torcedor do PT, preferia que a Veja fosse calada diante do Mensalão? Ou seja, quem pensa assim não é melhor nem pior que os grupos de imprensa, apenas são farinha do mesmo saco, mas no lado que não saiu em vantagem. Há uma fúria tão grande contra a imprensa que temo até que tenhamos o contrário do diretas já, teremos os jovens pedindo pela ditadura. Por órgãos de controle da "verdade". 
3) Nem todo profissional da imprensa é um sacana
Essas acusações aos grupos generaliza toda a classe jornalística como manipuladores e mistificadores. Mas muitos jornalistas têm boa intenção e são educados, não há salário que pagasse algum insatisfeito com senso de justiça suficiente para sair pelo mundo berrando umas verdades. 
Há um problema de foco nesses protestos irracionais contra a liberdade de expressão. Muitos jovens, possivelmente no calor da idade, simplesmente odeiam... Não vejo outro Jornal além d'o Globo nas bancas, ou será que essa gente acha que é melhor ler o Meia Hora? O povo se contenta com a gata da hora, por isso o Globo acaba como um jornal de elite... Assim como o Globo News. Temos ai o jornal Metro, parece ser bem informativo e gratuito, um modelo interessante de imprensa. Não quero colocar a imprensa como uma inocente donzela atacada por jovens ogros, mas não podemos simplesmente abdicar da liberdade de expressão. Não é combatendo os grupos que se vai vencer, mas é desenvolvendo idéias. Não adianta gritar contra a Globo, adianta, sim, ter senso crítico e separar o que é lavagem cerebral e o que é de fato o que nos roubam debaixo dos nossos narizes. As redes sociais prometem uma nova forma de informação e será cada vez mais fundamental ter o famigerado senso crítico. Nesse sentido, as redes sociais podem ajudar, no momento em que incentivam a troca de idéias e discussão de pontos de vista (embora, muita gente tenha a atitude de torcedor de futebol e simplesmente quer  bater boca, sem argumentação), porém, também podem gerar calúnias. A sobrevivência exigirá cada vez mais o senso crítico. As redes sociais ainda estão numa fase de maturação, mas, em breve, talvez tenhamos uma democracia no sentido mais amplo. Se não explodirem a Globo antes de que as pessoas percebam que ela têm sua função social e precisa ser ouvida quando preciso e sempre interpretada no contexto, antes de chegarmos à uma conclusão. Não adianta simplesmente mandar calar a imprensa, temos que ensinar o povo a pensar. E também, pararmos e pensarmos um pouquinho.
PS: Percebam a flexibilidade dessas pessoas para a liberdade de imprensa.

Milton Temer dá crédito à Veja quando convém, clique para ver o post original

O famoso se é assim sim...

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Raphael Fernandes
Carioca, Brasileiro, Estudante de Robótica
Hiperativo, Imperativo
Gosto de tecnologia, de transporte, de Rock, de reclamar e de propagandas criativas (e outras coisas que posso ter falado em um post ou não)
Musicalmente falando, sou assim.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Veja também...