18 de fev de 2011

Finalmente descobri qual era aquela música!

Certa vez, estava eu na academia e de repente surge uma música que me parecia familiar, mas numa voz diferente da que eu conhecia, voz de mulher, e eu conhecia numa voz masculina e tinha a sensação forte de que era de uma banda que eu gosto, numa versão mais de rock. Eu fiquei filosofando (no auge dos meus 2 minutos de descanso entre as repetições) sobre qual banda se encaixaria, pensei em bandas de metal, mas nada saía. Decidi procurar nos meus alfarrábios quando chegasse em casa, mas, no meu de tanto papanamericano em publicidades de carros de som, acabei perdendo a música e não lembrava nada. Fiquei chateado. Talvez nunca mais ouvisse na academia...

Passou alguns dias, e finalmente ontem, ouvi ela novamente. Refrescando minha memória, não tinha onde anotar e também pegaria mal ficar escrevendo numa academia, já acho que me acham maluco sem precisar ficar escrevendo, imagina se começasse a escrever (por outro lado, se já me acham maluco mesmo, que mal faria...) Então levei a música na mente, e dessa vez ia levar até em casa, mas tive que parar pra comprar comida para o periquito e foi nesse momento que me escapou a música, talvez na hora da interação social com o vendedor. Cheguei em casa e lembrei que tinha esquecido.

O resto do dia, fiquei tentando lembrar, nos momentos de ócio (a fisioterapia e a espera para o não-conserto do meu celular), como era a música. Sabia que tinha uma palavra comum (eu tinha decorado "Time", mas perdi até essa palavra), mas não era Tonight nem Forever...

Então veio a noite e o sono. Dormi. Sonhei. E acordei no meio da noite, não, não acordei, fiquei naquele estado intermediário entre acordado e dormindo, com a música na cabeça. Poderia levantar para anotar, mas não deu, dormi no intervalo de tempo que me concentrei para levantar.

Hoje acordei. Naquele momento que eu tentava dormir mais, mas a luz do sol já batia feroz no quarto, lembrei que havia lembrado durante a noite. Não veio... Tentei de novo. Veio! VEIO! Finalmente tinha conseguido lembrar e agora não havia nada que me tirasse da cabeça. Ia direto para o PC. E consegui descobrir...



Tratava-se de Sugar Ray!! E olha que eu já tinha me submetido até a Bullet Bando de Emo Valentine, procurando por forever no Rhythmbox... Mas descobri que, ao contrário do que pensei, o original não era do Sugar Ray, é, sim de uma mulher, mas, pelo que ouvi no youtube, não era bem essa versão a da academia...



Dei uma procurada rápida, sem compromisso, e me pareceu plausível eleger essa versão como a da academia:



Me parece ser essa, esse nome me é familiar, e se é familiar é pop, e se é pop, é muito mais provável de estar no som da academia. Por sinal, ela é bem gata... Mas, musicalmente falando, prefiro a versão do Sugar Ray.

A lição que tiro de hoje é minha mente é paranóica até na hora de dormir. O cérebro é mesmo fascinante e agora acredito mais naquelas estórias de que você não consegue resolver um problema, dorme e acorda coma solução. Já aquele sonho da cobra no anel benzênico, me parece mais dorgas manolo.

PS: Olha o que recebi quando falei da minha dor de garganta no tuinter

*ao som de Sugar Ray (Time after Time)

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Raphael Fernandes
Carioca, Brasileiro, Estudante de Robótica
Hiperativo, Imperativo
Gosto de tecnologia, de transporte, de Rock, de reclamar e de propagandas criativas (e outras coisas que posso ter falado em um post ou não)
Musicalmente falando, sou assim.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Veja também...